10
dez
2014
0
Porque é tão difícil conseguir um emprego no Vale?

Porque é tão difícil conseguir um emprego no Vale?

Existem milhares de vagas abertas em diversas empresas no Vale, para todos os níveis desde startups até as empresas que são conhecidas mundialmente e oferecem uma série de regalias, e salários super atrativos. No entanto arrumar um emprego um emprego no Vale do Silício pode ser muito mais difícil do que se imagina.

A pergunta mais comum entre as pessoas que querem vir estudar em San Francisco ou ter uma experiência no Vale do Silício é: Como é arrumar um emprego por aí? Quando escuto esta frase, a primeira questão que me vem a cabeça é: você tem autorização para trabalhar? Se você ainda não tem, precisa entender como pode trabalhar legalmente nos Estados Unidos. Este é o primeiro passo para tentar arrumar um emprego.

Porque é tão difícil arrumar um emprego no Vale do Silício?

Porque é tão difícil conseguir um emprego no Vale?

Porque é tão difícil conseguir um emprego no Vale? Fonte imagem: Pixabay

Recrutadores recebem um valor bem atrativo a cada nova contração e muitas companhias dão bônus ao colaborador quando ele indica alguém e pessoa é recrutada pela empresa. Por exemplo: Se o atual funcionário entregar o currículo do amigo, ele recebe $100, se ele for contratado, recebe $3 mil dólares. Contratar pessoas é realmente uma máquina de fazer dinheiro e por isto existem muitos headhunters na Bay Area – estes profissionais tentam encontrar o profissional com o melhor perfil para a vaga, eles chegam a receber até $10 mil por se a contratação for realizada.

Tem muitas oportunidade de emprego! Mas então, porque é difícil de conseguir um emprego no Vale do Silício?

Vamos aos principais motivos:

Idioma

É preciso falar inglês fluentemente. Lembre-se que você estará concorrendo uma vaga com alguém que tem o inglês como língua nativa. Portanto, ter um excelente conhecimento do idioma não é um diferencial e sim uma necessidade. Mais do que isso, muitas vezes é preciso ter um vocabulário mais rebuscado e conhecimento técnico, de termos específicos da sua área. Tipo de conhecimento que vai muito além das aulas de inglês do cursinho que você fez. Nenhum estrangeiro fala inglês tão bem que não possa melhorar, o tempo todo você vai aprender uma expressão nova. Ter sotaque faz parte de quem você é. No entanto, pronunciar de forma errada e não ter conhecimento do idioma para o ambiente de trabalho que você deseja estar inserido pode acabar com as suas chances de conseguir a vaga.

Aspecto legal

Ah, mas você é fera no inglês e não terá problemas…hm, não é bem assim. Para que um brasileiro possa trabalhar nos Estados Unidos é preciso que ele tenha autorização de emprego. Alguns vistos te permitem trabalhar – como é o caso do L1/J1/H1-B, mas caso você tenha um visto de Business/ Turismo/ Estudos (B1/B2/ F1), você só vai obter um emprego se conseguir um sponsorship para o seu visto, ou seja, uma empresa precisa te contratar e ser responsável por patrocinar o seu visto.

Entenda melhor:

Qualificação

Quantos anos de experiência você tem? Qual foi a universidade que você cursou? Qual sua especialização e cursos extra-curriculares? Não é ruim ter se formado no Brasil, mas se você tiver feito sua graduação e especialização nos Estados Unidos, conta muito mais na hora de aplicar para uma vaga, já que você tem como comprovar que sabe como as coisas funcionam por aqui. Além do mais, não esqueça que as universidades tops como Stanford, Universidade da Califórnia, entre outras que tem um super renome e oferecem os melhores cursos em determinadas áreas, formam alunos todos os dias e com certeza a bagagem que eles trazem é indiscutível. Tem empregador que coloca nos requisitos da vaga: graduado por universidade top de linha. E estes alunos estão a procura de oportunidade e muitas vezes vão concorrer a mesma oportunidade que você. Muitos empregadores também valorizam tanto quanto um diploma a pessoa que saiu do emprego, montou seu negócio e falhou. Portanto, esteja preparado para para apresentar o melhor dos currículos.

Currículo

Mais do que um excelente background, você precisa saber como apresentá-lo. O padrão do currículo ou resume como se diz por aqui, é bem diferente do que estamos acostumados no Brasil. E o seu cv que aí é impecável, pode parecer uma falta de organização aos olhos dos recrutadores americanos. Os currículos americanos tem um padrão, exigem números, verbos de ação entre outros itens que são considerados essenciais. Sem o melhor dos currículos ou uma boa indicação sua oportunidade de ser entrevistado, já era. Isto sem contar nos erros de gramática, uma preposição errada, por por tudo a perder.

Pitch

Sabe aquela famosa frase: a primeira impressão é a que fica. Então, é isso mesmo.! Aqui isso chama Pitch de elevador, que nada mais é do que a maneira como você passará sua primeira imagem. É aqueles 30 segundinhos que alguém senta do seu lado e pergunta sobre você, esta é  sua oportunidade de parecer alguém interessante, de falar algo que chama atenção e que  pode ser essencial para dar continuidade a uma conversa.

Enfim, as ofertas existem, mas a demanda também. E a competitividade no Vale é de alto nível, as pessoas são altamente qualificadas e é preciso estar super preparado para encarar o mercado.

Mas você estava pensando em um trabalho informal, só para fazer uma graninha e se manter, esteja ciente do custo de vida vs a minimum wage, que é o valor da hora paga por aqui.

O lema do Vale é go big or go home, ou você se destaca ou vai ter muitas dificuldades por aqui.

Comentários

comentários

18 Respostas

  1. Pingback : 5 dicas para quem quer trabalhar no Vale do Silício - Acontece no Vale

  2. Pingback : Quer trabalhar em uma empresa de tecnologia da Bay Area? Entenda como iniciar uma carreira nesta área | Acontece no Vale

  3. Pingback : Minha formação é tecnológica e não bacharelado. Posso aplicar para o H1-B? | Acontece no Vale

  4. Pingback : Dúvidas frequentes sobre vistos | Acontece no Vale

  5. Wha, Tudo bem?

    Tenho 34 anos e há 11 anos trabalho com SAP, módulo MM. Você saberia me informar se ainda há empresas dispostas a patrocinar um Visto H1B para um profissional da minha idade, já no limiar de idade que as empresas desejam (20 a 35 anos)?

    1. Olá Cristiano. As empresas estão dispostas a patrocinar o visto de profissionais super qualificados. Se seu inglês, seu currículo e sua experiência forem interessantes e tiver uma vaga que você cumpra todos os requisitos em termos de experiência e qualificação não acredito que o fato de você ter 34/ 40 anos iria te impedir de ter um patrocínio (esta não é uma regra). O que acontece é que muita empresa não está disposta a arcar com todos os custos e aguardar os prazos exigidos para o H1B. Com certeza se você for brasileiro e concorrer com alguém que já tenha ou não precise de visto, esta pessoa terá preferência. Mas quanto a idade, fica tranquilo 🙂

  6. Oi WHA!

    Primeiramente, parabéns pelo trabalho no blog que é fantástico! Meu sonho é conseguir um emprego em uma empresa de tecnologia do Vale. Quero muito ter essa experiência profissional e de vida, ganhar fluência (de verdade) no inglês e poder contribuir para alguma das várias empresas que admiro. Porém fico sempre num empasse que é o da minha idade. Me sinto um pouco “velho” quando me comparo com a galera recém formada que vem com tanta energia no marcado. Tenho 29 anos, minha graduação é tecnológica (FATEC) e trabalho com automação de testes mobile. Enfim… queria que, se possível, você desse sua opinião e alguma dica para que eu possa investir ou desistir da idéia hehehe.

    Muito obrigado!
    Bruno

    1. Bruno, fico feliz que você está curtindo o blog 🙂
      Mas como assim velho? Você nem entrou pros 30! A maioria do pessoal que eu conheço que trabalha na Bay Area na área de Tech, tem entre 26 e 40+. Não se preocupe com a idade, mas a energia sim é super importante e não tenho dúvidas que você deve ter de sobra:) Como você já deve saber sua área é super requisitada por aqui, se você encontrar uma vaga com o seu perfil e falar inglês fluentemente, suas chances de obter uma empresa que seja sponsor do seu visto são bem grandes. A dica neste primeiro momento é atualiza seu LinkedIN, faz um curriculo top nos padrões americanos, pede para um nativo revisar e tenta entrar em contato com os recruiters…fala sobre sua experiência e o que está buscando! Mas lembre-se, aqui dizer trabalhar na empresa X é um sonho pra mim é pior frase que você pode mencionar. O negócio é mais no nível, eu sou tão phod@ que sua empresa precisa me contratar por tenho muito a contribuir. Este é o primeiro passo, e depois claro, é preciso muito preparo para as entrevistas, principalmente para a parte técnica. Mas se trabalhar no Vale é seu sonho, batalhe por ele! Ter uma formação na FATEC e experiência com mobile já é uma super vantagem ao seu favor!

      Um abraço e se precisar me manda um e-mail para trocarmos uma ideia: contato@acontecenovale.com

      Wal.

      1. Fred

        Ola galera! Meu nome é Frederico, tenho 37 anos e sou da area de TI. Sou da area de TI a 15 anos, pois sou analista de sistemas desde 2000. Ja tenho uma pós graduação bem técnica e agora estou cursando um MBA, na area de gestão. Mas fui demitido ultimamente, devido ao corte de gastos da empresa, onde ela teve que fazer uns ajustes e demitir uma galera. Estou disponível no mercado, mas o que tenho visto são empresas demitindo em massa, e não contratando. Consegui um bico de consultor, mas estou pensando seriamente e pegar as malas e ir fazer um curso para tirar certificação de proficiência como TOEFL ou IELTS. Gostaria de ter uma experiência com empresas também para poder aprimorar mais meus conhecimentos técnicos, que ja são de altissimo nível na tecnologia microsoft. Sera que da pra realizar isso por ai? Mostrar que sou Phod@ nesse tipo de tecnologia, aprender outras tecnologias fazendo estagio de graça nas startups?

        1. Oi Frederico,

          Obrigada pelo seu contato. Acredito que todo curso de inglês é super válido. No exterior mais ainda. Eu faria o Toefl ou o Ielts no teu caso se você tiver o interesse em aplicar para um programa que exija estas certificações. Caso contrário eu faria algo mais business ou técnico para enriquecer o vocabulário e aprender mais sobre termos relacionados a sua área, que podem te ajudar mais no dia-a-dia. Se você tem como estagiar/ voluntária sem se preocupar com salário neste primeiro momento, não tenho dúvidas que as startups seriam super receptivas se pudessem contar com a sua experiência. Neste artigo menciono sobre os grupos interessantes em caso como o seu: https://www.acontecenovale.com/2015/04/13/7-dicas-valiosas-para-quem-quer-vivenciar-o-ambiente-de-startups-no-vale/ (acho que vale você fazer parte deles, principalmente se seu interesse são startups brasileiras). Neste site: https://www.looksharp.com, você pode checar sobre empresas que estão contratando para estágio e voluntários neste momento. Vale dar uma espiada! Sucesso nas buscas e vamos nos falando!
          Waldana.

  7. Pingback : Vale a pena largar tudo para viver o sonho americano no Vale do Silício? |

  8. Pingback : 7 dicas valiosas para quem quer vivenciar o ambiente de startups no Vale |

  9. Anderson

    Boa tarde.

    Vou para o Vale em Maio acompanhando minha esposa que ja vai com o emprego garantido e nosso filho que irá estudar ai.. A empresa dela nos dará visto L1. Não tenho um bom Ingles, por isso tenho a intenção de estudar ingles ai por uns 4 a 6 meses para depois ir procurar emprego na minha area. Trabalho com Tecnologia, mais precisamente com Oracle Applications. Sou desenvolvedor EBS. Voce acha que com uma preparação do INgles de 4 a 6 meses eu consigo me colocar no mercado de trabalho ai? Voce teria alguma dica a mais?
    Obrigado.

    1. Olá. Olha 4 a 6 meses é pouco tempo, mas se você fizer um curso intensivo neste período vai conseguir um bom conhecimento do inglês. Meu conselho é que além de frequentar uma escola, você faça um curso particular com ênfase no vocabulário que você precisará utilizar no mercado de trabalho por aqui, assim se sentirá mais seguro. A dica é estudar muito, (principalmente vocabulário técnico) tentar conviver com os americanos e forçar a falar inglês all the time. Um abraço.

  10. Nicolle

    Nossa esse post foi um banho de água fria. Estava pensando em fazer exatamente isso, pegar minhas coisas no Brasil e tentar a sorte em alguma startup do Vale. Tenho um ótimo nível de inglês, fiz mestrado em uma instituição reconhecida internacionalmente no Brasil, mas pelo visto isso é mais difícil do que imaginava. Mas eu já apliquei para uma empresa em SF que desejo mt trabalhar e minha dúvida é: quais as chances (se é que ela existe) de eu ir até a empresa pessoalmente, eles gostarem do meu perfil e me contratarem? (Tenho o contato do dono e talz) mas legalmente queria saber se é possível trocar meu visto de turista por um de trabalho já estando por lá. Vc saberia me dizer?

    1. Oi Nicolle, Existe a chance da empresa querer te contratar e aplicar para o seu visto sim. No entanto, o visto H1B é em média $5mil e o L1 $7MIL. Primeiramente a empresa tem que estar disposta a arcar com estes custos, depois a empresa deverá recolher toda sua documentação, provar porque você é a candidata ideal para aquela vaga dentro dos prazos. As chances existem mas o processo é caro e burocrático e concorrido. Trocar o visto de turista pelo de trabalho é quase impossível, pois no caso do H1B por exemplo, a aplicação tem que ser feita até 01 de abril para iniciar o trabalho em 01 de outubro. Enfim, o processo leva mais que 6 meses que o período de permanência do visto de turismo.

    2. Nicolle.

      NÃO DESANIME!

      Se você pegar biografias de grandes nomes e assistir palestras de empreendedores de sucesso, verá que eles sempre falam que antes de atingir o sucesso eles encontraram mil barreiras, ouviram incontáveis “não” e fracassaram em suas investidas mais de uma vez!

      Afinal tudo que vem fácil vai fácil!

      Uma dica que eu te daria seria cursar uma extensão universitária (em Berkeley por exemplo), com isso você estará nos EUA com o visto de estudante F1. Avançando no curso você pode solicitar o OPT e aí sim bater na porta do seu contato para tentar um estágio por exemplo.

      Durante o tempo que tiver empregada sob o OPT você terá a chance de mostrar ao seu empregador que vale a pena lhe contratar. Este é um cenário muito mais confortável para a empresa ao invés de investir tempo e dinheiro para uma suposta boa funcionária que está concorrendo com nativos formados em Stanford, Berkeley, etc.

      Passe no YouTube e veja alguns vídeos do canal EUA101 que fala mais sobre esse assunto de extensão universitária e OPT.

      Me baseio muito com os posts desse blog aqui e desse canal que mencionei.

      Estou no mesmo barco que você… caso queira trocar experiências meu e-mail é brunoflmg@gmail.com.
      😉

      1. Bruno,

        Fico muito feliz em saber que o blog é um meios que você usa como base para conhecer mais sobre alguns assuntos dos quais tem interesse.
        Obrigada por compartilhar sua opinião e pelo apoio.
        Se você tiver alguma sugestão para o blog, será muito bem vindo 🙂

        Um abraço,
        Wal.

Deixe sua opinião