De au pair a gerente do Netflix, com muitas aulas no college pelo caminho. Conheça a trajetória da Luciane Carrillo que depois de passar por situações frustrantes no trabalho resolveu dar um basta e mudar para os Estados Unidos para aprender inglês. Ela fez o intercâmbio como au pair, foi pra adult school, pro college, fez diversos outros cursos na área de formação, decidiu mudar de carreira, concluiu um mestrado e hoje é uma das gerentes da Netflix. Depois de 12 anos morando no Vale do Silício, Luciane têm muitas dicas pros recém chegados. Confira!

De Au Pair a gerente do Netflix, com muitas aulas no college pelo caminho

aulas no college
De au pair até o Netflix, com muitas aulas no college pelo caminho

Aprender inglês era uma necessidade na minha carreira

Sou fonoaudióloga formada pela Universidade Federal de São Paulo com especialização em voz profissional. Sempre gostei muito de “public speaking” e de ajudar as pessoas a se comunicar de forma mais efetiva.

Desde muito cedo na minha carreira percebi que falar inglês era uma necessidade. Primeiro, quase perdi uma bolsa de estudos para fazer minha especialização porque eu precisava falar inglês para receber palestrantes internacionais nos congressos que eu organizava. Segundo, num destes eventos senti uma certa impotência pois eu não conseguia contribuir e aprender devido a barreira da língua. Foi quando decidi largar tudo e fazer o programa de Au Pair.

A mudança para os Estados Unidos como Au pair

Cheguei nos EUA no final de 2005, literalmente sabendo falar somente oi, tudo bem. Minha família era de Palo Alto na Califórnia Tive muita sorte de ter uma família queridíssima e super paciente já eu não era capaz de me comunicar.

Aulas de inglês na escola de inglês para adultos em Palo Alto

Logo na primeira semana me matriculei nas aulas de ELS – English as a second language da Palo Alto Adult School. Os 3 primeiros meses foram muito difíceis. Novamente, tive sorte de ter uma professora maravilhosa, Patricia Carobus. Ela é brasileira e me ajudou muito.

Aulas de inglês no Foothill College

Senti que eu precisava acelerar meu aprendizado e me matriculei como estudante internacional no Foothill College numa aula de “Interpersonal Communication”. Meu pensamento foi o seguinte: eu odeio estudar gramática, então se eu estudar um tópico eu gosto muito como comunicação, vou aprender inglês por “osmose” 🙂 Minha tática deu certo!

Como é estudar no Foothill College

Não vou dizer que foi fácil. Me lembro da sensação de “solidão” numa classe com outros 20 americanos. Eu era a “única” estudante internacional com nivel de inglês super básico. Tirei nota “C” na primeira prova que fiz e fui chorar com o professor tentando explicar que tinha estudado muito mas não tinha tido tempo de escrever tudo que sabia. O professor me acalmou e disse que confiava que com o tempo ficaria mais fácil. Fechei a classe com nota “A”, mas depois de estudar, me dedicar e chorar bastante 😛

Cursos depois do college

Depois das aulas no college, me senti mais confiante com meu inglês e 6 meses depois fui inclusive apresentar uma pesquisa na conferência The Voice Foundation, na Filadélfia. Eu submeti um trabalho para esta conferência antes de sair do Brasil, mas além de não ter expectativas de que seria aceito, achei que minha orientadora iria nos representar caso necessário. Quando recebi a notícia positiva, pedi ajuda da professora Patricia para me preparar, fiz pessoalmente a apresentação e foi sucesso. Para quem não falava nada de inglês há 6 meses atrás, estar na frente de uma audiência de pesquisadores do mundo todo foi uma grande vitória. Depois dessa experiência estava pronta para novos desafios, aí vieram outros cursos como:

  • Debate – no De Anza College;
  • Public Speaking – no Foothill College;
  • Toastmaster International – Synopses;
  • Accent Reduction na Palo Alto Adult School;
  • Public Speaking for foreigners e Coachingna na Stanford Continuing Education

Como foi o processo de matrícula no Foothill College

processo de matrícula foi tranquilo. Se você não tem o interesse em fazer uma “faculdade”, é possível se matricular para qualquer classe. Somente precisa fazer um “placement test” para verificar qual o seu nível de inglês. Mas se o meu que era super básico foi aceito, garanto que qualquer um pode entrar 🙂

Qual o preço dos cursos?

Com exceção dos cursos da Palo Alto Adult School, todos os outros foram pagos. Eu sempre achei os cursos caros, mas eu conseguia fazer as aulas e viver com meu salário de au pair, que era de $140/ por semana. Os programas mais caros eram os de Stanford, em torno de $500 por programa que tinha uma média de 6 aulas.

Como eram as aulas e a maturidade dos alunos no Foothill College?

No college, os alunos eram bem imaturos. Eu tinha 25 anos na época, e como já era formada com experiência profissional, era extressante ter que fazer aulas com alunos “novinhos”. Mas como eu tinha dificuldade na comunicação, sentia que minha experiência não tinha muito valor. Fui humilde de “andar para trás” e aprendi muito com a mulecada, não somente sobre slangs ou gírias e diferenças culturais, mas também sobre como me comunicar e viver como imigrante na Baía de San Francisco.

Os cursos te ajudaram a conseguir um emprego na tua área?

Eu decidi seguir uma nova profissão quando percebi que queria morar nos Estados Unidos, pois embora eu amasse o que fazia no Brasil, seria muito difícil validar meu diploma para atuar no país. Eu precisaria fazer um mestrado em Speech Pathology, tirar certificação e tal. Mesmo assim, senti que nesta região não tem muitas oportunidades para trabalhar com Voz. Eu até fiz um estágio com um médico otorrino em Stanford, mas não gostei de como eles atuam como fono. Então decidi seguir minha paixão por comunicação e treinamento.

Mestrado em Psicologia na Golden Gate University

Quando completei 3 anos nos Estados Unidos, fiz meu Mestrado em Psicologia Organizacional na Golden Gate University em São Francisco. Embora o Mestrado não tenha sido exatamente o que eu queria, foi uma oportunidade maravilhosa para fazer contatos que me ajudaram na minha vida profissional. Eu me apaixonei por uma área chamada “Organizational Development”, fiz amizade com a professora dessa matéria e me ofereci para ajudá-la em alguns projetos. Acabou que fiz um ano de estágio na empresa dela, onde aprendi muito. Atualmente estou há mais de 6 anos trabalhando como Customer Experience Manager na Netflix. Muito do que aprendi neste estágio, no curso de comunicação, nas aulas do Mestrado, nas interações com pessoas do mundo todo, aplico no meu dia-a-dia. Hoje sinto que meu maior diferencial como profissional é ser “self-aware” sobre minhas próprias “biases”, seja do lado cultural ou em relação a minha  personalidade. Aprendi muito com todas as pessoas que passaram na minha vida nesses 12 anos de Estados Unidos.

Qual seu conselho pros brasileiros recém chegados?

Meu conselho é: tente uma aula nova, tente começar uma conversa com um desconhecido, tente assistir TV em inglês usando close caption, tente ouvir NPR – eu odiava fazer isso, mas me ajudou muito. Hoje em dia tem muitos Podcasts legais – NPR One, TED Talks, Radio Hour, Audiobooks. Com certeza, você terá várias decepções nas suas tentativas, mas quando você der “uma dentro” você vai ficar tão feliz e tão orgulhosa de si mesmo, que vai se esquecer das coisas ruins que aconteceram até então.

Outra dica que funcionou para mim é não “julgar” o americano. Nos meus dois primeiros empregos nos EUA – uma empresa de intérpretes e na Stanford Medical School, eu chorei muito com a “grosseria” do americano. Mas depois aprendi que eles não eram “grossos” comigo, era somente uma diferença cultural que eu não estava ciente na época. O americano usa um estilo de comunicação muito diferente do brasileiro. Eles são mais diretos e nós identificamos o jeito deles como grosseria. Eu também super recomendo um livro fantástico que vai te dar uma idéia sobre as diferenças culturais:“The Culture Map – de Erin Meyer” vai te ajudar a entender não somente a relação entre brasileiros e americanos, mas com o restante do mundo. Morando no Vale do Silício, com certeza é um diferencial se você conseguir se comunicar e interagir com pessoas de outros países e culturas.

Esta pesquisa foi realizada em parceria com as Brasileiras do Vale. Leia mais sobre o projeto: Guia de escolas de Inglês no Vale do Silício e como você pode contribuir!

Luciane – Muitíssimo obrigada por compartilhar sua experiência! Você é um exemplo que basta determinação e força de vontade para fazerem as coisas acontecerem. Thank you!

Inspirada por uma das lições mais valiosas do Vale do Silício: dê o seu melhor que a vida retribui, resolveu juntar sua experiência no segmento educação internacional, seu amor por viagens e seu entusiamo por novos negócios criando o blog para compartilhar um pouco de tudo que sabe e aprende todos os dias.

Comentários

comentários

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here